Notícias

Consultas

solicite seu orçamento de certificação
08 Maio 2020

Beleza proibida: realidade distante para os derivados da Cannabis no Brasil

Sem previsão de liberação, ingredientes que ativam os receptores de CBD da pele são alternativos no país

Por Estela Mendonça

Os produtos de beleza e de cuidados pessoais com claims relacionados à Cannabis movimentaram nada menos que US$ 12 bilhões em 2018 em todo o mundo, segundo a Euromonitor, que aponta também que até novembro de 2019 havia mais de 500 marcas com aproximadamente 4,3 mil SKUs com esse apelo em 40 mercados.

Ainda de acordo com o levantamento da Euromonitor, o número de SKUs derivados da Cannabis aumentou 161% no período de um ano, até 18 de novembro de 2019. O aumento foi maior entre os SKUs que foram comercializados como contendo CBD, um aumento de 568%.  “A explosão do crescimento no uso do termo CBD em comparação com outros termos, como Cannabis e óleo de cânhamo, confirma uma mudança no marketing, já que muitas marcas, quem tinham o cânhamo em seu marketing, estão explorando o CBD”, analisa Kayla Villenna, analista da Euromonitor International.

Cânhamo, maconha, Cannabis

O sistema endocanabinoide presente dentro de um organismo, tecido ou célula é ativado por canabinoides endógenos e exógenos, que interagem com receptores canabinoides, sendo os principais o CB1 e o CB2. No caso da Cannabis, os mais conhecidos são o Tetrahidrocanabinol (THC) e canabidiol (CBD), que interagem com o sistema endocanabinoide para produzir efeitos físicos e psicológicos no organismo.

De acordo com a  HempMeds Brasil,  o cânhamo e a maconha são plantas da mesma espécie, a Cannabis sativa, mas são geneticamente distintas e geralmente utilizadas para finalidades diferentes. As sementes do cânhamo são usadas na produção de alimentos, suplementos nutricionais, medicamentos e cosméticos, já o caule e suas fibras são usadas na produção de papel, tecidos, compostos plásticos e materiais de construção. Para uma planta de Cannabis ser considerada cânhamo, ela deve conter no máximo 0,3% de tetrahidrocanabinol (THC), o princípio ativo que causa efeitos psicoativos. Este nível de THC é 33 vezes mais baixo no cânhamo do que o encontrado na maconha. Além disso, o cânhamo tem um teor mais alto de canabidiol (CBD), um dos mais de 120 canabinoides até então identificados na Cannabis. A maconha é a Cannabis cultivada principalmente por suas propriedades psicoativas.

Produtos pelo mundo

Na análise da Euromonitor, por uma questão de marketing, muitas marcas estão escolhendo o termo óleo de semente de Cannabis sativa, em vez de óleo de cânhamo, para capitalizar a associação.  Além disso, as grandes do setor começam a aproveitar a crescente popularidade da Cannabis, o que antes era um movimento mais relacionado às indie brands.

A Avon acaba de lançar a Cannabis Sativa Oil Skincare Collection, com produtos que limpam, restauram e protegem a pele. Formulada para suavizar a pele seca e irritada, a linha é composta por um hidratante leve para o dia, um balm restaurador e um leite de limpeza.

O Cannabis Sativa Seed Oil Herbal Concentrate, da Kiehl’s, marca americana do Grupo L’Oréal, tem como um de seus sucessos o  Cannabis Sativa Seed Oil Herbal Concentrate, desenvolvido para todos os tipos de pele, especialmente para as oleosas e com tendência a manchas. É fabricado com ingredientes naturais, incluindo óleo de semente de cannabis sativa prensada a frio e óleo de orégano.

Desde 1992, a The Body Shop utiliza o cânhamo como um ingrediente protagonista de alguns de seus produtos, entre eles manteiga corporal, protetor labial, creme para as mãos e outros.

O Tratamento capilar Jasmine & Henna Fluff-Eaze, da Lush, desenvolvido especialmente para cabelos crespos, secos e indisciplinados, contém óleo cânhamo orgânico, castanha do Brasil e óleo de coco extra virgem.

O CBD Sleep Drops Rodial passa a integrar a linha Booster Drop da Rodial, uma das linhas mais vendidas da marca e que agora inclui uma versão do CBD. Tem ação anti-inflamatória e reduz a aparência de pele cansada. Contém ainda  esqualano, que reduz a perda de água, fazendo com que a pele pareça com mais volume.

A marca Wildflower, que defende buscar ao máximo o poder das plantas para a saúde e o bem-estar lançou os sabonetes CBD + Lavender, que podem ser usados nos cabelos, rosto e corpo. Além de CBD, incluem óleos essenciais de lavanda, baunilha e coco.

A Kovo Essentials Skincare , de  Nova York, diz que lançará uma nova linha de produtos para a pele CBD + Probiotic em meados de maio de 2020. A nova linha incluirá dois séruns faciais, uma névoa de peptídeos e patchs para a área dos olhos. A empresa diz que usa o nano CBD para aumentar a taxa de absorção, permitindo que os produtos se hidratem, restaurem os níveis de pH e reforcem a defesa natural da pele contra a oxidação.

Outras fontes de canabinoides

No Brasil, o potencial do mercado dos derivados da Cannabis é enorme. Viviane Sedola, CEO e fundadora da Dr. Cannabis, durante a Latin America Investment Conference, realizada em janeiro em São Paulo, estimou que o mercado da Cannabis em higiene e beleza poderia chegar a R$ 2,5 bilhões ao ano. Embora os derivados da Cannabis em cosméticos tendem a permanecer proibidos por alguns anos, os fabricantes contam com outros óleos e ativos alternativos com ação semelhante.

Pesquisadores do mundo todo vêm demonstrando que não são apenas os canabinoides presentes na cannabis que têm ação sobre o sistema endocanabinoide. O Laboratório Vincience da Ashland na França, por exemplo, desenvolveu um ativo derivado do pachouli, o cb2-skin™, como uma alternativa patenteada ao óleo de canabidiol (CBD) para acalmar, suavizar e manter a juventude da pele.

“O cb2-skin™ é uma alternativa aos derivados controversos da Cannabis, com benefícios superiores em modular o sistema endocanabinoide da pele, por meio da ativação do receptor CB2 2”, explica Liliana Brenner, diretora de marketing de Care Specialties da Ashland.

A sustentabilidade do cb2-skin™, proveniente de fazendas integradas e sustentáveis da Colômbia, foi reconhecida ao conquistar o Sustainable Beauty Awards, concedido à Ashland durante edição europeia da Sustainable Cosmetics Summit 2019.

A diretora destaca alguns dos benefícios demonstrados em estudos e testes ex e in vivo com o ingrediente, que não é controverso e que pode ser utilizado sem problemas regulatórios: “cb2-skin™ ajuda a equilibrar as defesas imunes da pele e sua função de barreira. Ele visivelmente aumenta a beta-endorfina da pele, atenua a irritação induzida pelo UV (IL1-R1) e o desconforto (TRPV1), reduzindo os sinais de irritação, como vermelhidão e ardência, a coceira e acalmando a pele”.

Estudo clínico com 26 voluntários com pele sensível

A aplicação do creme contendo 1% de cb2-skin™ pode aumentar visivelmente o conforto da pele

A aplicação de um creme contendo 1% de cb2-skin™ reduziu as rugas na pele e ajudou a levantar o contorno do rosto

Como sugestões de formulações, Liliana indica o cb2-skin™ para aplicação em produtos para pele sensível, fórmulas pro-aging, produtos capilares para reduzir a irritação do couro cabeludo e produtos corporais para firmeza, estrias e outros. “É perfeito para aplicações em produtos que seguem o conceito ‘better for me’, que integram rituais de beleza para ajudar a desconectar do estresse da vida cotidiana”. O produto é 100% de origem vegetal (ISO 16128), tem certificação COSMOS e é listado na China (IECIC e IECSC).

CBD da Floresta Amazônica

Rafaella Tomazini Candido, analista de marketing técnico de personal care da Citróleo, reforça que, além do canabidiol (CBD) e do tetra-hidrocanabinol (THC), vários canabinoides estão presentes na cannabis e em outras plantas, como é o caso do  β-cariofileno (BCP), que também é encontrado na copaíba. “A copaíba é um dos ingredientes naturais mais interessantes. Além se enquadrar em diversas expectativas quando se pensa em saúde, naturalidade, bem-estar e cura, seu óleo não tem qualquer contraindicação e é altamente eficiente”.

De acordo com a analista, as propriedades medicinais da copaíba já eram conhecidas há séculos pelos nativos da Amazônia, utilizada em preparações populares para aliviar dores ou como solução antimicrobiana. Da parte mais volátil da planta é extraído o óleo essencial, onde se encontram mais de 60 substâncias, entre terpenos e outros compostos.

O óleo de copaíba é obtido por destilação a vapor do bálsamo de copaíba, cujo cultivo é totalmente sustentável pelos parceiros do Grupo Citróleo. “Com custos atraentes, uma das vantagens é que sua composição completa oferece melhores resultados do que canabinoides isolados, como é o caso da molécula de CBD”, destaca.

Óleo de copaíba tem atividade nos receptores de CB

Rafaella acrescenta que, mesmo na forma pura, o CBD da Cannabis pode ter quantidades vestigiais de THC, que possui atividade psicoativa no cérebro. Além disso, pelo fato de ser uma molécula isolada, o CBD deve ser misturado com outros compostos, como um óleo veicular. Dessa forma, a atividade nos receptores CB é indireta.

Rafaella Tomazini Candido, analista de marketing técnico de personal care da Citróleo

Além de ação antimicrobiana, Rafaella explica que o BCP fornece atividade neuroprotetora, a partir da ativação seletiva de receptores canabinoides do tipo 2 (CB2), reduzindo o processo de inflamação. “Diferentemente do CBD, o óleo de copaíba tem atividade direta nos receptores de CB e mais de 1 mil estudos publicados que demonstram a atividade de seus constituintes e sua interação e influência no corpo humano. O óleo de copaíba, com mais de 70% do BCP, é mundialmente aceito e legal, além de ser 100% puro e ativo”.

Segundo Rafaella, além do BCP, o óleo de copaíba é uma fonte natural de substâncias anti-inflamatórias e a sinergia entre todos os seus componentes permite várias outras aplicações, com um suporte robusto. “É totalmente seguro, aprovado em todo o mundo, sem restrições ou efeitos colaterais, 100% livre de psicoativos e um dos principais filhos da cosmética milenar amazônica”, afirma, acrescentando que o óleo de copaíba da Citróleo pode ser usado topicamente na pele para limpar, desintoxicar e reduzir manchas. Quando ingerido, também pode ter efeitos positivos na saúde, como ação expectorante, atividade gástrica, hepática e renal, além de cicatrização.

Homeostase saudável

Natália Scagliusi, especialista de marketing de produto da IMCD, alertando para o aumento em grande parte do mundo da prevalência de doenças da pele, como acne, dermatite atópica, alergias e psoríase, destaca uma abordagem adaptógena para fornecer ao consumidor uma solução altamente eficaz e sustentável para melhorar a saúde e o bem-estar da pele: o ativo AnnonaSense CLR™, desenvolvido pela CLR Berlin, que promove a homeostase saudável na pele com efeitos imediatos e duradouros.

Segundo a especialista, o AnnonaSense CLR™ é um ativo natural, obtido da Annona Cherimola, uma fruta originária da América do Sul,  com potente ação adaptogênica no sistema ECS/EVS da pele, promovendo ação anti-inflamatória,  além de fornecer meios para estabelecer equilíbrio homeostático sustentável na pele. “Este potente mecanismo de ação suporta o sistema endocanabinóide da pele, ativando o receptor CB2, além de reduzir a produção dos principais mediadores inflamatórios como CGRP, IL-1β, IL-8 e IL-6”.

Natália Scagliusi, especialista de marketing de produto da IMCD

Proporcionando ação antiestresse, suavizante e calmante, AnnonaSense CLR™, segundo Natália,  torna a pele menos sensível e mais equilibrada, diminuindo incômodos como prurido, vermelhidão, entre outros. “A aparência da pele melhora e a percepção de bem-estar e qualidade de vida é reforçada”, afirma, ressaltando que o ingrediente, que é uma alternativa não controversa ao CBD da Cannabis, conquistou o ouro do Innovation Zone Best Ingredient Award, conferido durante a in-cosmetics Asia 2019.

Com benefícios demonstrados em testes in vitro e in vivo e com certificação Cosmos, o AnnonaSense CLR ™ é  hidrossolúvel e de fácil manuseio, podendo ser utilizado em emulsões, géis e géis creme.  “Melhorar a saúde e o bem-estar da pele leva a um sentimento geral mais positivo e a uma melhor qualidade de vida”, completa Natália.