Notícias

Consultas

solicite seu orçamento de certificação
11 fev 2020

Exclusivo: brasileiro está disposto a consumir mais orgânicos, diz CNI

Pesquisa aponta que 36% dos consumidores pagariam até mesmo mais caro pelos produtos

Uma pesquisa apontou maior interesse dos brasileiros por alimentos orgânicos. Segundo o levantamento, 36% disseram estar inclusive a pagar mais caro por alimentos orgânicos (14% muito mais caro e 22% só um pouco mais caro). Outros 30% afirmam que escolheriam o alimento orgânico caso o preço fosse o mesmo.

Os dados do Perfil do Consumidor Consciente, feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), também apontam que, entre os brasileiros dispostos a pagar muito ou um pouco mais caro por alimentos orgânicos, 57% pagariam mais caro por produtos ambientalmente corretos.

A renda familiar é um ponto decisivo na compra de orgânicos. Entre os que ganham mais de cinco salários mínimos, 52% escolheriam o alimento orgânico mesmo que tivessem que pagar mais caro (16% muito mais caro e 36% só um pouco mais caro). Esse percentual cai quanto menor a renda familiar e chega a 26% entre os brasileiros com renda de até um salário mínimo (12% muito mais caro e 14% um pouco mais caro).

Disposição a pagar mais por orgânicos (por renda)

Respeito ao meio ambiente

Cerca de quatro em cada dez consumidores estão preocupados se os produtos são ambientalmente corretos. Mas, entre os brasileiros com até a 4ª série do Ensino Fundamental, 57% nunca verificam, percentual que cai quanto maior o grau de instrução e chega a 29% entre os com educação superior.

O levantamento também constatou que 31% dos brasileiros está disposto a pagar mais por produtos fabricados de maneira ambientalmente correta, ou seja, com baixa emissão de poluentes e resíduos.

Além disso, 32% dos respondentes afirmam que optariam pelo produto ambientalmente correto caso o preço fosse igual. Independentemente da faixa de renda, 10% dos brasileiros optariam pelo produto ambientalmente correto mesmo que fosse muito mais caro.

Verificação se produto é ambientalmente correto

Fonte: REDAÇÃO GLOBO RURAL