Notícias

Consultas

solicite seu orçamento de certificação
15 out 2020

Fé no vinho biodinâmico

Em um seminário on-line do produtor piemontês Ceretto, o proprietário Gianluca Pica, disse que as práticas biodinâmicas estavam se mostrando fundamentais para mitigar o impacto das mudanças climáticas no Piemonte. Segundo ele, a biodinâmica leva a um amadurecimento mais precoce e mais uniforme das uvas, o que é um benefício quando as temperaturas estão subindo.

“Com a biodinâmica, obtemos uvas mais equilibradas, elas não são verdes e despreparadas, o que significa que podemos ter uma colheita precoce e ter uvas maduras”, afirmou sugerindo que as práticas agrícolas convencionais alteram o equilíbrio natural da vinha.

O proprietário da Ceretto observou cachos de amadurecimento precoce graduais e uniformes em suas vinhas cultivadas biodinamicamente, mesmo em safras quentes, isso significa que conseguiu colher frutos antes que os níveis de açúcar aumentassem acentuadamente ou que a acidez diminuísse, e ainda assim tivesse um vinho com taninos maduros.

No entanto, se as temperaturas médias continuarem a subir, ele também observou que uma resposta a longo prazo poderia ser a mudança de cultivo para novas áreas, preferencialmente em altitudes mais altas no Langhe, no Piemonte. “Hoje, uma vinhedo Cru de Barolo custa de 3 a 4 milhões de euros por hectare, então essa mudança climática é uma grande questão… Se eu tenho de 3 a 4 milhões de euros para investir hoje, fica a questão: ‘este vinhedo será um lugar para produzir grande Nebbiolio daqui a 50 anos?’ E esta é uma discussão importante”, disse.

Ceretto converteu todos os seus vinhedos de uvas tintas para a biodinâmica em 2010. A empresa foi uma das primeiras a se concentrar na produção de vinhedos únicos de Barolos e Barbarescos nos anos 1960.