Notícias

Consultas

14 Maio 2020

Jovens de 15 anos criam produto orgânico para substituir agrotóxicos

Duas adolescentes paranaenses engajadas em reduzir o consumo de agrotóxicos entre os pequenos produtores criaram um composto com efeito de pesticida para substituir produtos químicos no cultivo de hortaliças.

O projeto AgroAtóxico foi premiado na edição deste ano da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace 2020), um movimento nacional de estímulo a jovens cientistas realizada anualmente na Universidade de São Paulo (USP).

Sarah Bernard Guttman e Luiza Fontes Bonardi, ambas com 15 anos e alunas do 2º ano do Ensino Médio em Curitiba (PR), trabalharam juntas desde 2018 para criar um produto orgânico capaz de substituir agrotóxicos e ser produzido pelos próprios agricultores.

Para isso, as estudantes se aprofundaram em pesquisas com plantas medicinais e outros produtos de origem orgânica acessíveis a qualquer produtor.

“No primeiro ano, foi desenvolvido um agrotóxico muito simplório. A partir daquela base, fomos aperfeiçoando o produto para que ele chegasse ao seu melhor potencial, utilizando plantas medicinais que foram escolhidas a dedo para melhor a eficácia do produto”

Sarah Bernard Guttman, estudante

Luiza conta que a ideia surgiu quando descobriram, por um panfleto, que o Brasil é um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo. “Questionamos e fomos a procura de algo que pudesse mudar isso para diminuir esse consumo”, explica a estudante.

(O AgroAtóxico) É bem fácil de fazer, porque é a base de plantas e outros componentes que são bem baratos e acessíveis. Além de ser fácil de produzir, porque é uma espécie de processo de ebulição e mistura, para a aplicação basta um borrifador, já que não necessita de equipamento de proteção porque não apresenta nenhum risco ao ambiente e nem a pessoa que está aplicando”, afirma Luiza.

Aprovado em hortaliças

Para testar a eficiência da fórmula, as jovens cientistas iniciaram experimentos em hortas caseiras e depois passaram para uma área de médio porte, com uma agricultora de sistema agroflorestal da região. O AgroAtóxico foi testado em plantas de morango cultivadas apenas com água e com o composto orgânico.

“Após dois meses de cultivo, o resultado foi impressionante. A planta que recebeu o AgroAtóxico se desenvolveu muito mais e frutificou, enquanto a que recebeu só água apresentava apenas folhas e que ainda foram atacadas por alguns insetos. A que recebeu o agroatóxico não sofreu ataques, o que comprovou a eficácia do produto”, explica Sarah.

Novos testes

Por enquanto, a receita, que ainda precisa passar por testes em larga escala, está em segredo enquanto as estudantes entram com o processo de patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O objetivo é que, assim que seja iniciado o registro da patente, elas divulguem a fórmula para agricultores que produzem orgânicos.

“Por enquanto, o projeto ainda não tem nenhuma parceria, mas tem como objetivo uma empresa que possa ajudar na divulgação dessa receita, principalmente em cursos técnicos e no âmbito rural, justamente para que as famílias que produzem alimentos orgânicos, tenham acesso”

Sarah Bernard Guttman, estudante

Segundo ela, a intenção é que a disseminação dessa receita possa ajudar a incentivar a produção e, consequentemente, o consumo dos alimentos orgânicos.

“Nós pretendemos divulgar essa receita com os agricultores locais justamente para facilitar esse trabalho deles de produção dos orgânicos. E incentivar a população a consumir mais orgânicos porque os cuidados com esses produtos têm que ser mais altos. E, com mais pessoas consumindo, o preço destes também pode vir a cair”.