Notícias

Consultas

solicite seu orçamento de certificação
14 jun 2022

Lucro da Jalles Machado mais que dobra na safra 21/22 a R$ 387,9 mi; moagem é recorde

SÃO PAULO (Reuters) – A Jalles Machado (SA:JALL3), uma das maiores produtoras de açúcar e etanol da região Centro-Oeste, reportou nesta segunda-feira lucro líquido de 387,9 milhões de reais referente à safra 2021/22, uma disparada de 127,6% comparada à temporada anterior, acompanhada por uma máxima histórica na moagem de cana.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado atingiu 1,098 bilhão de reais, avanço de 54,7%.

A receita líquida somou 1,45 bilhão de reais em 2021/22, 33,5% acima da obtida em 2020/21, quando pela primeira vez a companhia havia superado a marca de 1 bilhão.

“A nossa estratégia de ampliar os estoques visando nos beneficiar dos preços mais altos da entressafra se mostrou acertada, contribuindo para a boa performance operacional e o aumento da receita líquida”, disse a companhia.

A moagem de cana alcançou 5,357 milhões de toneladas na temporada, 1,2% a mais em relação ao ciclo anterior e um novo recorde operacional, disse a empresa em balanço.

Segundo a Jalles, um aspecto importante para o desempenho foi a produtividade, visto que a região de atuação da empresa não sofreu no decorrer da safra com adversidades climáticas que provocaram quebra de safra em outras regiões do país (em média 13% na safra do centro-sul), além do fato de terem irrigação em 61% da área produtiva.

“O volume recorde de moagem na safra 2021/22 combinado com o maior teor de açúcar da cana processada no decorrer do período, resultou em uma produção total de 739,5 mil toneladas de ATR (açúcar e etanol), volume 1,4% superior com o produzido na safra anterior, de 729,0 mil toneladas”, afirmou a companhia.

O mix de produção foi similar ao da safra anterior, com 53,2% da matéria-prima destinada à fabricação de etanol e 46,8% para o açúcar.

A Jalles produziu 316,3 mil toneladas de açúcar, volume que ficou 1,1% acima do registrado na safra anterior, com destaque para a produção de açúcar orgânico, que aumentou em 3,4%.

“O volume total de açúcar branco, orgânico e VHP faturado no decorrer do exercício foi de 297,9 mil toneladas, o que representa queda de 8,5% ante 2020/21, enquanto o volume total de etanol (hidratado, orgânico e anidro) apresentou acréscimo de 4,9%, somando 207,9 mil metros cúbicos na safra 2021/22.”

A produção de etanol foi de 240,7 mil metros cúbicos, aumento de 1,7%, considerando o hidratado, anidro e saneantes.

Sobre os gargalos atuais decorrentes da guerra entre Rússia e Ucrânia, a empresa destacou que sua vantagem competitiva é ter 23 mil hectares de área orgânica (mais de 30% da área cultivada), que não utiliza fertilizantes e defensivos químicos.

“Outro ponto muito relevante é que, dentre os três principais insumos agrícolas utilizados, Nitrogênio, Fósforo e Potássio, nós possuímos quase 70% de autossuficiência em Potássio, obtido por meio da aplicação da vinhaça, subproduto da cana. Além de possuirmos estoque de insumos e matéria-prima para toda a safra 2022/23.”

(Por Nayara Figueiredo)